Ego
  Postado em 06/06/2016
 

Hoje presenciamos grandes conflitos na humanidade. No âmbito pessoal observamos conflitos entre casais ou amigos, no âmbito profissional, conflitos entre equipes. O que existe em comum? EGO. Numa breve busca na internet encontramos algumas definições interessantes.

Ego, a partir da interpretação filosófica, significa o “eu de cada um”, ou seja, o que caracteriza a personalidade de cada indivíduo. O conceito de ego é bastante utilizado em estudos relacionados a psicanálise e filosofia. De acordo com a teoria psicanalítica, o ego faz parte da tríade do modelo psíquico, formado pelo Ego, Superego e ID. O ego é considerado o “defensor da personalidade”, pois é responsável por impedir que os conteúdos inconscientes passem para o campo da consciência, acionando assim os seus mecanismos de defesa. Uma das principais funções do ego é harmonizar os desejos do ID com a realidade do superego. Assim, o ego suprime as vontades inconscientes do ID com “medo” dos castigos que lhe forem direcionados. O ego é responsável pela diferenciação que o indivíduo é capaz de realizar, entre seus próprios processos interiores e a realidade que lhe apresenta.


O ego é fundamentado na teoria clássica de Sigmund Freud, um conjunto de hipóteses sobre o funcionamento do cérebro das pessoas. Para Freud, o ego baseia-se que todo evento psíquico é determinado por eventos anteriores, ou seja, não há acasos. O ego também se baseia na existência do inconsciente, que se manifesta de diferentes modos na vida mental. (http://www.significados.com.br/ego/)


Ego (em alemão ich, "eu") designa na teoria psicanalítica uma das três estruturas do modelo triádico do aparelho psíquico. O ego desenvolve-se a partir do Id com o objetivo de permitir que seus impulsos sejam eficientes, ou seja, levando em conta o mundo externo: é o chamado princípio da realidade. É esse princípio que introduz a razão, o planejamento e a espera no comportamento humano. A satisfação das pulsões é retardada até o momento em que a realidade permita satisfazê-las com um máximo de prazer e um mínimo de consequências negativas.


A principal função do Ego é buscar uma harmonização inicialmente entre os desejos do Id e a realidade do Superego. Há muitos conflitos entre o Id e o Ego, pois os impulsos não civilizados do Id estão sempre querendo expressar-se. Freud destacava que os impulsos do Id são muitas vezes reprimidos pelo Ego por causa do medo de castigo. Ou seja, o Ego pode coibir os impulsos inaceitáveis do Id, o "desejo de roubar", por exemplo, seria um impulso do id (que é totalmente inconsciente). Porém, visto que o indivíduo não pode sobreviver obedecendo somente aos impulsos do Id, é necessário que ele reaja realisticamente a seu ambiente de convívio. O conjunto de procedências que leva o indivíduo a comportar-se assim, é o Ego. O Ego é, portanto, mais realístico do que o Id, visando sempre as consequências dos impulsos inconscientes do Id.


O Ego não é completamente consciente, os mecanismos de defesa fazem parte de um nível inconsciente (https://pt.wikipedia.org/wiki/Ego).


Tais conceitos, no meu ponto de vista são muito significativos. Então eu pergunto para você: Vale mesmo a pena sua opinião prevalecer? O que você ganha com isso? Sua equipe vai melhorar se SUA opinião prevalecer? Você tem 100% de certeza que SUA ideia é a mais correta? Você conseguirá excelentes resultados? E no âmbito pessoal, você realmente quer que seu marido ou esposa (filhos, etc.) acredite no seu ponto de vista? O que vai lhe acrescentar? Se ela ou ele não acreditar ou não aceitar, que diferença vai fazer para você? Infelizmente não podemos mudar o passado, mas as escolhas determinam o futuro. Faça sua parte, mas não se detenha a SEU EGO... cada um escolhe aquilo que acha que é certo! A sorte é lançada diariamente!!!

 

Compartilhe este Artigo